Skip to main content

Elimine o Glúten (MESMO QUE VOCÊ ACHE QUE NÃO TEM PROBLEMA COM ELE)

O glúten, encontrado no trigo, na cevada e no centeio, é um dos ingredientes mais inflamatórios da era moderna. 

 

 Você deve começar ingerir alimentos sem glúten agora!
 
A intolerância ao glúten — com ou sem a presença de doença celíaca — leva a produção das citocinas inflamatórias, que desempenha um papel-chave nas condições neurodegenerativas. 
 
O cérebro está entre os órgãos mais sucetíveis aos efeitos deletérios dos processos inflamatórios, e os efeitos inflamatórios secundários do glúten chegam ao cérebro por meio de um intestino permeável, que não consegue impedir que esse ingrediente tóxico provoque uma reação imunológica. 
 

 O glúten é um veneno silencioso. Ele pode gerar danos permanentes sem que você saiba.  

Aqueles que sofrem os sintomas da intolerância ao glúten reclamam, antes de tudo, de dores abdominais, náuseas, diarreia, prisão de ventre e incômodo intestinal. 
 
Também podem sofrer sintomas neurológicos, como dores de cabeça, confusão mental, cansaço pouco habitual depois de uma refeição que inclua glúten, tontura e uma sensação geral de instabilidade. 
 
A maioria das pessoas, no entanto, pode não apresentar sintomas visíveis e mesmo assim está sofrendo um ataque silencioso em outra parte do corpo; por exemplo, no sistema nervoso. 
 
Por isso, alimentos sem glúten, são mais saldáveis.
 
Entenda quis são os alimentos que lhe trarão maiores benefícios e quais os mais prejudiciais. E-book Grátis! Clique aqui para baixar.
 
Embora os efeitos do glúten possam começar com dores de cabeça sem explicação, fadiga crônica e ansiedade, eles podem degenerar em transtornos mais sérios, como depressão e demência. 
 
Embora tinha havido controvérsia em relação a intolerância ao glúten das pessoas que não sofrem de doença celíaca, a ciência chegou a um veredicto.
 
A sensibilidade não celíaca ao glúten (SNCG) tornou-se, finalmente, um diagnóstico da medicina convencional. 
 

Hoje o glúten pode ser encontrado em toda parte, apesar do progresso do movimento antiglúten na indústria alimentícia.

 

Ele está contido em tudo, dos derivados de trigo ao sorvete, e até nos hidratantes para as mãos.   

É preciso partir do pressuposto de que você é sensível ao glúten, e evitá-lo por completo. 
 
Para aqueles que estão tentando perder peso, o glúten pode impedir o corpo de atingir esse objetivo.
 
O sobrepeso e obesidade, afinal de contas, também tem raiz nos processos inflamatórios.
 
 É uma via de mão dupla: os processos inflamatórios provocam ganho de peso, e o ganho de peso provoca processos inflamatórios. 
 
É bem verdade que a gordura corporal tem uma utilidade; ninguém pode viver totalmente sem gordura. 
 
 A gordura, em si, não é um tecido inflamatório, mas, em grande quantidade, além do que seria saudável para o corpo, pode ser problemática e desencadear um ciclo de processos inflamatórios que se autoalimenta 
 
Essa inflamação intracelular no tecido adiposo provoca ainda mais resistência à insulina e ganho de peso. 
 
Os processos inflamatórios que ocorrem no cérebro e no intestino exarcebam as coisas.
 
Lembre-se de que a leptina controla o apetite e o metabllolismo. Quando os processos inflamatórios atingem o cérebro, mais especificamente o hipotálamo, ele resulta em resistência à leptina, que, por sua vez, prejudica o metabolismo da glicose e da gordura. 
 
Existem outras conexão entre os processos inflamatórios e sobre-peso/obesidade.
 
Mas o que quero argumentar aqui é que o glúten leva a um intestino permeável, que por sua vez abre as portas para processos inflamatórios crônicos, que tornam praticamente impossível a perda de peso.  
 

Você precisa eliminar esse ingrediente da sua vida. 

Entenda quis são os alimentos que lhe trarão maiores benefícios e quais os mais prejudiciais. E-book Grátis! Clique aqui para baixar.
 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *